Uma boneca para Júlia!

Uma boneca para Júlia!

Desde que me entendo por gente enfiei na minha cabeça que teria três filhos homens! Eu podia vê-los correndo de calça de moletom cinza e bamba branco quando ainda mal tinha um namorado. Um deles, chamaria André! Mas a vida caprichosamente mudou os meus planos. Minha mãe, nunca me deixou dar o nome de André a um dos meus filhos e um “deles” veio menina. A Júlia chegou, sem pedir licença, sem combinar comigo que viria, e que me faria mãe de menina! Foi um susto! Entre Guilherme e Gabriel, estava a Júlia!

E eu? Eu fiz de conta que ela não era diferente, só pra não ter que lidar com a diferença. Mas, a realidade se impõe e nos obriga a abrir os olhos, por bem ou por mal. A Júlia parecia um astronauta, fora da nave, preso por um cabo, mas, bem distante, ironicamente, daquilo que podemos chamar de nave MÃE! Foi preciso fazer um resgate. E resgates, sempre tem um tom de emergência, como o próprio nome diz, é uma operação! Quando veio a adolescência a menina astronauta estava numa rebeldia só! E lá fui eu vestir a minha roupa da Nasa e partir para o resgate!

A aproximação foi difícil, fui puxando aquele cabo, puxando… Eu e ela fomos pra terapia, pra Yoga, pro trabalho, sim ela começou a trabalhar, a convivência aumentou muito, até que, aos 40 anos me tornei uma mãe de menina. O passado, claro, não volta mais. Mas eu venho aprendendo ao lado da Júlia, que o passado pode ficar onde está, e que sempre é tempo de mudar.

Assim, quando me lembrei que eu não havia dado pra ela aquela boneca que fica guardada a vida toda, tratei de mudar isso, e aos 18 anos dei a minha filha, a boneca que eu espero, siga com ela pra sempre! Como prova do nosso resgate e do nosso aprendizado!

Entre tantas coisas que aprendi, algumas me ajudaram muito na transição: Não desista de ninguém, não crie expectativas e aceite as pessoas como elas são, caso contrário pode perder quem você ama.

Divido com vocês um trecho da carta que entreguei para a Júlia, junto com a Branca de Neve.

Filha querida,

Pode parecer que esse presente tenha chegado atrasado, sem uma data especial, mas ele chegou quando deveria chegar. Quando você está prestes a morar sozinha, a fazer a sua vida, sem se esquecer quem você é, e de onde você veio. A Branca de Neve é um símbolo do nosso elo eterno, do resgate do nosso amor e quero que ela esteja com você, onde quer que você vá. Sou grata por todas as nossas descobertas e por tudo o que virá! Aceito, entrego e confio. Especialmente, agora, confio em você!

Seja feliz, conte comigo e pra mim, sempre que precisar!

Com amor

Mamãe

12351091_1103706172974181_1751280590_n

 

Autor

Marilucy Cardoso

Marilucy Cardoso

Jornalista, mãe, canceriana, nascida em 1973, cheia de histórias para contar e suja algumas panelas nas horas vagas.

Relacionado

Comentários

  • ELIZETE WENZEL MOREIRA ELIZETE WENZEL MOREIRA dezembro 09, em 14:10

    Mari, Viajei contigo nesta história, me lembro bem da graça e da beleza da Júlia quando era ainda pequenina; quando saia com ela paravam-nos na rua para admirá-la. Ficamos um tempo distante, mas ela continua aquela Julinha amada que conheci. Fico feliz com este resgate concluído que é muito importante. Bjs,

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso dezembro 09, em 14:19

      Zetti, minha amiga querida, o seu carinho e toda a sua família com a Júlia sempre foi especial... Só eu que era boba e não sabia que era tão bom ter meninas por perto! Receba meu beijo e minha gratidão!

      Responder
  • Bere Bere dezembro 09, em 17:54

    Mari perfeito amei Parabens Sua filha e uma linda boneca. ??

    Responder
  • Lucyene Vilela Lucyene Vilela dezembro 09, em 21:21

    Adorei!! Vocês merecem esse "recomeço", principalmente pela sinceridade e amor estampados nesse texto e na cartinha que acompanhou a boneca!! Beijo nas duas!!

    Responder
  • Lucia vaz Lucia vaz dezembro 10, em 10:57

    Marilucy, que coisa linda!!! Tenho duas meninas, realmente não é fácil lidar com elas, acho que é muita TPM para uma casa só.... RS abraço.

    Responder
  • Nathalia Nathalia dezembro 12, em 17:12

    Mari que lindo!!!! Realmente nunca é tarde, e se foi assim foi porque Deus quis não é mesmo?! Você está dando um testemunho muito lindo de vida viu! Que o Senhor te abençoe sempre e te ensine cada dia a ser essa mãezona que você é !!!! Adoro seu blog!!!! Beijão

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso dezembro 14, em 09:20

      Amém Nathália! Muito obrigada pelo carinho e pela visitinha aqui no Blog, tudo de bom pra vc também!

      Responder
  • Fer Mastellari Fer Mastellari dezembro 13, em 21:41

    Amiga que texto lindo. Sei bem desta "susto" mas você sempre se reinventa e foi pãe como poucas . Deus sempre há de iluminar esta vida que lhe ofertou pois você agrega amor, dedicação, profissionalismo, amizade e principalmente a entrega desde que se tornou mãe do Gui ainda tão jovem. Que este laço seja cada vez mais estreito e que juntas vocês possam ainda viajar na mesma nave....a do amor maternal e infinito. Te amo

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso dezembro 14, em 09:21

      Fer nem sei se mereço todos os seus elogios, mas sei que são do fundo do seu coração e agradeço essa admiração com todo o meu sentimento e amizade que tenho por você desde sempre! Obrigada minha amiga querida!!! Bj bj

      Responder

Deixe o seu comentário