O caçula!

O caçula!

Eu não precisava de mais um filho. Já havia conseguido a média nacional: dois filhos. Já havia conquistado o sonho de todo casal: um menino e uma menina. Mas antes que a minha menina completasse um ano: lá estava eu, grávida de novo.

De verdade, quase enlouqueci, passei nove meses me perguntando: Por que eu? Aos 25 anos, uma simples (miserável) repórter de televisão, com um bebê de colo, contratada a menos de um mês num novo emprego. Por que eu?

Pra me consolar, pensava: “Deve estar crescendo no meu útero o brasileiro que vai ser melhor do que o Pelé, que vai conquistar a nossa primeira medalha olímpica, ou quem sabe o presidente do Brasil que dará fim a corrupção e um país mais justo pra todos nós. Naquele momento essas possibilidades não me consolavam.

Eu mal era capaz de regar um cacto naquele momento.  Como regar cacto, quando se tem um emprego onde você tem a obrigação de dormir com o celular ligado , porque alguns quinhentos presos podem resolver fugir, todos ao mesmo tempo de um só presídio e pela porta da frente, e claro numa madrugada qualquer. Como regar cacto quando se tem papinha pra fazer, mamadeira para ferver, fraldas para trocar, cozinha pra limpar, casa pra varrer e um filho de cinco anos que espera que você jogue vídeo game com ele, quando você chegar da cobertura da fuga recorde do tal presídio? Por que eu teria o caçula? Como nós dois sobreviveríamos a tudo isso?

Mas, ele chegou num 17 de agosto, com pouco mais de dois quilos, menos de 45 centímetros, sob o risco de ser o meu caçula. E foi só ele chegar pra eu saber “por que eu”. No primeiro olhar, dispensando qualquer clichê, eu amei Gabriel. Ele não poderia ser de mais ninguém! Só meu!

E de lá pra cá, foram 18 anos, de amor, erros, acertos, brigas, reconciliações, amizade e sempre com a certeza ele nasceu pra mim e eu pra ele. Vamos juntos nessa jornada chamada vida, até aqui tem sido uma grande aventura.

 

 

Autor

Marilucy Cardoso

Marilucy Cardoso

Jornalista, mãe, canceriana, nascida em 1973, cheia de histórias para contar e suja algumas panelas nas horas vagas.

Relacionado

Comentários

Deixe o seu comentário