Meninas! Só muda o endereço… Pergunte a outras meninas.

Meninas! Só muda o endereço… Pergunte a outras meninas.

Estava eu pendurada na sacada quando meus olhos se prenderam a uma cena: um pai (jovem), duas meninas, provavelmente irmãs e cada uma segurava uma bola na mão. A dupla se revezava no exercício de jogar a bola para o pai, cada gesto seguido de um gritinho ardido.

Pensei… Meninas… Na verdade moças, mulheres, senhoras, não importa em que época da vida, teremos sempre o perfil feminino, só muda o endereço, mesmo.

Analise: Cada uma tinha uma bola, elas disputavam a atenção do pai e não jogavam entre si.

Compare. E se fossem meninos? Certamente estariam disputando a bola e já seriam um grupo.

Sim, eu nasci menina e sei como é. Pra ficar mais sabida, tive uma filha. E ela tem amigas para confirmar todas as minhas teorias.

Por exemplo, se você tiver filhas ou sobrinhas , leve-as, com as amigas para um fim de semana na praia! Dica: leve no mínimo uma no máximo três amigas, caso contrário poderá enlouquecer. Nunca deixe as meninas num grupo de número ímpar. Elas dão um jeito de criar a minoria.

Não se assuste se o pai de uma delas chegar no portão tarde da noite porque a filhinha dele esqueceu o travesseiro favorito, e ela não vive sem ele.

Lembre-se, para elas o vestido, o biquíni, até o chinelo da amiga é sempre mais legal que o delas, por isso elas vivem trocando as peças, umas com as outras… Solidariedade? Seria, até que uma delas estrague a fivela da bolsa da outra. Tem tudo para virar um caso de polícia!

As brincadeiras das meninas são muito elaboradas, tem sempre um contexto, que acaba em quê? Confusão.

Verdade, imagine você que uma delas é a Cinderela e as outras meninas não querem ser as irmãs feias e malvadas da princesa… Na maioria das vezes você terá de encontrar  uma solução do tipo… Levar todo mundo para o quiosque para tomar sorvete.

A comida é outro desafio. Experimente fazer um lanche sem consultá-las sobre o cardápio. Você terá uma terrível surpresa ao saber que uma das adoráveis amigas da sua filha, tem alergia ao corante da salsicha, que o queijo precisa ser branco, amarelo não tem na casa dela. Que o pão de forma, só faz sucesso sem a casca! Infernal.

Se alguém me perguntar a razão de sermos assim, não saberia dizer… Os hormônios eternos vilões podem até topar levar a culpa.

Mas, eu prefiro pensar que viemos melhor preparadas para enfrentar desafios enormes, preconceitos gigantes, então avisem aos homens, não somos difíceis, somos completas e estamos prontas desde que nascemos!

Autor

Marilucy Cardoso

Marilucy Cardoso

Jornalista, mãe, canceriana, nascida em 1973, cheia de histórias para contar e suja algumas panelas nas horas vagas.

Relacionado

Comentários

  • Regiane Regiane junho 09, em 08:11

    Logo que vi o título me interessei....rs...será porque aqui em casa tenho uma prestes a completar três anos e a outra quatro meses? Enlouquecendo??? Já passei do gerúndio... Como sempre texto simples e intrigante Mari, nós mulheres, eternas problemáticas, mas isso está longe de ser ruim, ao contrário, o que seria dos meninos se não fossem nossas preocupações bobas e cuidados fúteis...rs, a vida deles seria um pouco menos colorida (dia desses disse que ia chover e insisti para que o marido levasse um guarda-chuva, ao chegar do trabalho sem sequer ter caído uma gota ele comentou que um amigo também estava com tal objeto porque a esposa tinha dito o mesmo que eu). Ao ler o artigo também me veio a mente várias cenas das minhas sobrinhas, em especial da Gabi...sim....a amiga do Bibi....ela escrita...."tia não vou comer isso porque agora sou fitness"....kkk....essa é a frase da vez....vou adorar ler novamente seus textos e experimentar suas receitinhas pra lá de lindas e apetitosas...porém, pra quem não sabe, o mais legal mesmo é poder ter o privilégio de sentar a mesa com vc, e bater longos papos tomando uma simples e confortável canja de galinha....beijocas e sucesso lindona!!!

    Responder
    • admin admin junho 09, em 10:49

      Muito feliz por ser seu o primeiro comentário do Blog a Bolonhesa! Vamos trocar muitas figurinhas da nossa vida, amores, filhos e receitinhas né Rê? Afinal somos meninas!!! Um bj enorme

      Responder
  • Vivian Paula Vivian Paula julho 14, em 07:26

    Admiração é um sentimento que aproxima mesmo estando distante. Acredito que não precisamos receber apenas a riqueza das palavras de um poeta para admirá-lo, basta conviver com aquilo que ele criou! Posso dizer com propriedade que a admiração pelo trabalho que acabo de ler é enorme e acrescenta demais ao que tenho buscado e me dedicado a entender, mas recebi algo infinitamente maior ao conviver de perto por alguns anos com sua mais requintada obra que nos trouxe a concretização de suas palavras, na riqueza da arte de conviver. O nome do texto: Julia! Parabéns por nos trazer, entre palavras e pessoas, poesia!

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso julho 14, em 08:01

      Nao consegui viasulizar seu comentário na íntegra, mas agora pude vê-lo, que bacana Vivian, muito especial, espero tê-la por aqui, esse espaço foi criado,para ser democrático e principalmente para receber contribuições de pessoas como você, muito obrigada mesmo pelo carinho!!! Um grande bj

      Responder
  • Felipe Felipe julho 14, em 22:17

    Leio e já escuto o sotaque rs. Muito bom o texto.

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso julho 15, em 12:18

      Meu sotaque de Guaratinguetá/Aparecida é realmente meu ponto alto!!! Obrigada pela visita, favor trocar receitas comigo!!! Bj

      Responder
  • Bruna Urahata Bruna Urahata julho 16, em 00:33

    Muito bom ! Ja curto suas deliciosas marmitinhas, agora junto com esse blog!adoro!!!

    Responder
  • Alessandra Alessandra julho 16, em 13:26

    Estou adorando seus textos. Têm um tom de realidade subjetiva que encantam e divertem. Leitura rápida, descontraída Muito bom.

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso julho 16, em 14:02

      Alessandra querida, você não imagina o quanto isso me deixa feliz! Obrigada e volte sempre aqui no Bolonhesa! Bj grande

      Responder
  • Débora Débora julho 17, em 19:22

    Amei Mari!! Tudo!!! Tenho minha menina Maria...e as meninas...Ah.!!.. as meninas são mesmo assim!!! rsrs Depois veio o meu menino...e as diferenças! Quando ia ao pediatra, questionava...e as comparações eram inevitáveis. " Ela andou com nove meses, ele tem mais de um ano...e nada...E o doutor, pra tudo dizia: Mas mãe, ela é menina!! Adorei o texto! Sucesso e beijos

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso julho 18, em 10:21

      Meninas se entendem né Debora? E a sua é uma figura! Adorei a visita!!! Volte sempre e um grande bj

      Responder

Deixe o seu comentário