Felicidade não define.

Felicidade não define.

Eu não sei que tipo de sentimento define essa minha viagem de férias. Não, essa não é a minha primeira vez na Europa. Sim eu já estive em Paris antes… Talvez, a minha postura como turista tenha mudado um pouco. Primeiro, deixei praticamente todos os pontos turísticos “oficiais”de lado, sim, inclusive os museus e igrejas, e até a linda Torre Eiffel. A prioridade foi andar pela rua e observar, observar e observar.

Eu pensei: Quero olhar mais, ouvir mais, sentir mais. Quero ser eu mesma a grande testemunha da minha alegria. E foi exatamente assim que me comportei desde que pisei em Paris no dia 12 de julho de 2016. No caminho entre o aeroporto e o hotel, me senti um pouco sonolenta, mas não me permiti fechar os olhos é que até a chuva que batia no para-brisa me interessava, assim como o trânsito, o silêncio do motorista do taxi… Tudo… Começava ali a minha odisséia com um olhar super aguçado e uma vontade de ver e saber como vivem os franceses.

Sobre isso fiz algumas descobertas: Se eles eram mal humorados e não gostavam de falar em inglês, isso mudou. Em qualquer restaurante que vc entre… O menu vai chegar depressa em suas mãos, mas o garçom demora. Acho que é um jeito que eles encontraram pra deixar o estrangeiro ter tempo pra entender o cardápio e fazer as melhores escolhas. Descobri também que a conta fica na mesa, na maioria dos lugares. Comprovei o que todo mundo já sabe, o metrô é ótimo, taxi é caro, aliás, anote aí, tudo é caro em Paris. Que La Defense era um mal necessário e que os franceses não gostam dele, como não gostam das luzes da torre até hoje. O happy hour da moçada é na beira do Sena, com baguetes e vinho. O café, caso não seja expresso, será quase um chá.

Sobre as francesas… Elas são charmosas… Pouca maquiagem, traço de delineador forte nos olhos, aquele coque que a gente faz pra entrar no chuveiro e um estilo de se vestir que parece que vem com a seguinte frase: “Não tô nem aí pra você! A sapatilha baixa ou a sandália rasteira são usadas noite e dia. Elas tem um frescor, algo que talvez a carioca tenha. Eu não tenho.

Os franceses? Elegantes e despojados. Donos dos blazeres mais bem cortados do mundo e do cabelo mais estiloso do planeta. Eles estão no top five.

Mas pra ir vendo tudo isso tive que ficar meio francesa… Agradeço por ter comprado um dia antes da viagem uma rasteirinha de verniz que ficava bem de dia e de noite, por ter levado um blush iluminador tipo bronzant,, e ainda assim, os franceses me perguntavam: “Italiana?” Não se pode enganar todo mundo o tempo todo.

Mas, me esforcei pra ser como eles, andei a pé, como há muito não fazia, me hospedei em Montparnasse, sentei nos cafés, brasseries, pedi croque monsieur, tomei champanhe de manhã de tarde de noite, apreciei cada pistache servido ao sentar nos bares. Comi peixe, entrecôte, baguetes, croissant, mil folhas, eclairs e macarons. Tomei chá. Fiz reservas em restaurante e cheguei com 10 minutos de antecedência. Percorri a Saint Honoré. Fui a uma estação de trem e também a um salão de beleza. Comprei perfume, cachemire e maquiagem e cochilei no fim da tarde. Não fosse isso… Não teria sentido a plenitude dos franceses mordendo uma baguete no jardim de Luxemburgo, ou das crianças colocando barquinhos no espelho d’água do mesmo jardim. E em meio a tudo isso, passei pela Torre Eiffel, pelo Arco do Triunfo, pelo Louvre, mas fiz deles uma paisagem cotidiana. Uma parisiense bem brasileira, vendo a vida passar em Paris… C’est la vie!

 

 

 

Autor

Marilucy Cardoso

Marilucy Cardoso

Jornalista, mãe, canceriana, nascida em 1973, cheia de histórias para contar e suja algumas panelas nas horas vagas.

Relacionado

Comentários

  • Elizete Elizete julho 24, em 20:51

    Que delicia Mary, esta foi você , clean, leve e solta. A Mary que permitiu sentir todas as sensações que tinha direito. Um aniversário para nunca esquecer. Parabéns, viajei contigo imaginando o seu prazer em cada parada e nas suas observações. MIl beijos

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso julho 25, em 07:47

      Que companhia maravilhosa que eu ganhei nessa viagem!!! Obrigada minha amiga Zeti!!! Mil beijos pra vc!

      Responder
  • Angela Mendonça Angela Mendonça julho 24, em 21:01

    Quando viajo também gosto disso, de olhar e observar. Acho que peguei o hábito de viajar só e por não ter alguém conhecido para conversar jogo-me a olhar e tirar minhas impressões dos lugares e pessoas. Quanto mais o tempo passa, mais a gente se jogo na simplicidade das pequenas coisas. Aqui, eu tenho joanetes que me incomodam mas quando viajo é como se os deixasse em casa pois nem me lembro que eles existem. Aproveite cada minuto e se jogue sempre. Viajar é a melhor coisa da vida para mim, me jogo e me impulsiono para voltar com mais amor e alegria para dar aos meus. Beijo lindona.

    Responder
  • Silvana Zugaib Silvana Zugaib julho 24, em 21:15

    Adorei seu texto, A medida que ia lendo, me via percorrendo e vivenciando cada situação. Parabéns. Bjs

    Responder
  • Claudia Claudia julho 24, em 21:41

    Aí que delicia amiga , juro que viajei nesse momento lendo essa crônica, senti o sol os perfumes visualizei até as pessoas !! Gratidão por um texto tão lindo ! Bjs

    Responder
  • Beatriz Beatriz julho 25, em 09:54

    Marilucy querida ! Adorei o seu texto ! Parabéns ! Como boa canceriana ele é intenso , sutil e ao mesmo tempo profundo no sentir ...., de cada minutinho...., cada hora...., cada transeunte ...., cada ar respirado ..., cada passo é cada compasso ,,,,Eu bem sei o que você sentiu ..., na pele , nos olhos e na alma !!! Quando viajo também sou assim ..., sinto tudo !!! Tudinho mesmo !!! Antes de chegar em qualquer lugar ...., ponho o meu pé direito no chão e falo para o Galhardo : sinta esta energia..., inspire e expire !!! deixa esta energia entrar dentro de você ...,, só então comece a caminhar ..., você não imagina como é mágico !! Em Córdoba ao entrar na cidade e ao fazer isso ! Senti uma energia tào forte !! Que me transpotei para o passado, como se lá já estivesse vivido ! E assim fui indo ..., me anbsorvendo , trazendo e levando um pouquinho de mim em cada lugar ..., olhando para tudo e para todos com os olhos da alma !! Olhos que só nós cancerianos sabemos como é ! Bonjouir ! Mademoasele !

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso julho 25, em 13:33

      Bia estava com saudades dos seus comentários aqui no Blog! Estamos em sintonia e como nada é por acaso a vida nos uniu um dia! Olho tudo e penso, nínguem pode me tirar isso! É um patrimônio emocional que levarei comigo aonde quer que eu vá! Obrigada minha querida amiga!

      Responder

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.