2073! Meu centenário!

2073! Meu centenário!

Dia desses, estava eu assistindo ao Jornal Nacional e uma notícia me chamou atenção. A população centenária no Brasil está aumentando a passos largos. A mim, parece uma cilada. Faz algum tempo, decidi não me preocupar com o futuro, mas se penso nele, e me vejo com 100 anos, sinto medo de me arrepender por ir tão longe, de me perder na falta de memória, ou na fraqueza das pernas. De que aos 100, saudades seja uma dor. De que falte quem ouça o que eu tenho pra dizer, quem goste daquilo que eu gosto, quem tenha interesse por tudo que os meus 100 anos possam representar.

Este ano, se viva fosse, minha avó Cecy faria 100 anos. Celebramos como se ela estivesse aqui. Missa, almoço em família e pencas de boas memórias. Pensei… E se eu pudesse dar um abraço nela e desejar feliz aniversário. Um reencontro por cinco minutos? Como seria explicar a ela em que mundo eu vivo?

Dizer que hoje, telefone fixo não faz sentido, que as pessoas podem ser rastreadas através dos celulares. Que nós, não vamos ao banco, nem até as lojas, muito menos, temos sacolas de lona para ir ao mercado. Que a gente faz tudo via internet. Que o dinheiro é de plástico, que as pessoas preferem teclar do que falar. Que os mapas falam e ensinam como chegar a qualquer destino. Que a nossa impressão digital agora é assinatura moderna. Que para ser popular você não precisa ter muito amigos e sim, seguidores. Que outro dia ví uma exposição fotográfica, que trazia imagens rotineiras do céu, segundo o fotógrafo, o objetivo é fazer com que as pessoas percebam que elas não olham mais pro alto. Os olhos estão pregados em telas, somos a geração mobile, essa palavra, ela demoraria muito pra entender.

Mas, a tecnologia não é tudo no meu tempo… O que mais poderia dizer pra ela? Que a medicina avançou? Mas, que os corredores dos hospitais estão abarrotados de macas. Que as mulheres estão mais valorizadas? Talvez, mas, devidamente não. Que o acesso a educação melhorou. Sim, mas que a qualidade, piorou bastante. Imagino a cara da minha avó, quando ela soubesse que as crianças não usam uniforme e a polícia precisa fazer rondas nas escolas em todos os períodos. E quando eu dissesse a ela que os filhos estão vivendo com os pais até os 40 anos?  Que cães e gatos andam vestidos por aí. Tem de capa de chuva a camisa da seleção brasileira. Não sei se diria algo sobre futebol…

Sobre o que a deixaria feliz, em qualquer tempo, arriscaria um palpite: Os bisnetos.

E a grande questão é : Será que a Dona Cecy, se pudesse, gostaria de voltar e viver agora, aos 100 anos? Sem o marido, sem um dos filhos, sem uma nora, sem dois netos. Desconectada. Perdida no presente que avançou rápido demais, sem que ela pudesse correr. Não posso responder por ela, mas tenho um outro palpite:  Não. Dona Cecy ficaria onde está. Olhando por nós, esperando por nós.

Então, digo por mim… 100 anos é muito tempo, não contem comigo. Quero a minha parte em amor, paz, harmonia e presente, sem me preocupar com o futuro, porque ele a Deus pertence! E viva o centenário da minha avó Cecy!

 

 

Autor

Marilucy Cardoso

Marilucy Cardoso

Jornalista, mãe, canceriana, nascida em 1973, cheia de histórias para contar e suja algumas panelas nas horas vagas.

Relacionado

Comentários

  • Claudia Claudia outubro 06, em 10:30

    Maravilhoso amiga, e na parte que vc fala de pessoas que gostem do que você gosta, tenho certeza que já não estarei aqui, pra gente sujar panelas, porque eu já estarei lá em cima te esperando com o fogão aceso!!kkkkkk

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso outubro 06, em 10:36

      Vamos ver o que a vida nos reserva... Quem vai ligar o fogão primeiro!!! Eis o mistério da vida!

      Responder
  • Douglas Pires Douglas Pires outubro 06, em 18:44

    Mari, seus textos são geniais. Sempre os leio aqui, rs! Estes dias ouvi vc falando sobre isso mesmo, rs! Seus 100 anos! Beijos

    Responder
  • Lucyene Vilela Lucyene Vilela outubro 07, em 14:55

    Primeiro: adoro como você lembra de cada detalhe para incluir em seus textos!! Segundo : acho que também teria medo de chegar aos 100 pelos mesmos motivos que você citou!! Terceiro : discordo de você - penso que a vó Cecy, com saúde, gostaria sim de chegar aos 100!! Ela era guerreira demais pra desistir! Não vivia à frente do seu tempo mas enxergava longe, sempre antes dos outros!! E apesar das perdas tenho certeza de que ela preferiria estar aqui para ajudar todos nós, como sempre fez!! E viva o centenário da vó Cecy porque ela merece todas as nossas homenagens!!

    Responder
  • Darlene Darlene outubro 07, em 19:45

    Meu centenário será em 2059, até que não falta muito...rsrs Mas confesso que gostaria sim de chegar a esta idade, desde que com saúde e lucidez Pra ver se ainda verei paz entre os povos, cura de doenças, igualdade, solidariedade e o principal .... Ética na governança de nosso lindo país, Brasil, que tanto amo.. Parabéns, adorei sua crônica.

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso outubro 07, em 23:15

      Como diria Lulu Santos Ëu vejo a vida melhor no futuro..."Assim seja minha amiga!!! Que venham anos melhores pro mundo!!! Um bj

      Responder
  • vanice assaz vanice assaz outubro 08, em 11:48

    Ih!!!! acho que vou na contramão da maioria: Eu quero sim chegar aos 100 anos ou perto deles. Tô vivendo cada vez mais o presente, mas quero viver presentes por muito tempo ainda. Adoro viver e vou tentar ser cada vez mais uma velhinha porreta!!!!!

    Responder
    • Marilucy Cardoso Marilucy Cardoso outubro 08, em 13:55

      E sobre vc... tenho certeza que 100 anos serão poucos, pra tanta vida pra viver! Um beijo minha amiga

      Responder

Deixe o seu comentário